Stay Hungry, Stay Foolish

1 Comment

Never settle down… never settle for the “it’s not bad”, always go for the “this is it!”

Words from a very wise man

Never try to connect the dots looking to the future… when you’re older, you’ll learn that connecting dots it’s done looking to your past

Advertisements

Say something nice…

2 Comments

Another awesome guerrila marketing stunt! This time it was Improv Everywhere, a New York City-based prank collective that causes scenes of chaos and joy in public places, that constructed a custom wooden lectern with a megaphone holster and an attached sign that read, “Say Something Nice.” The lectern was placed in public spaces around New York and then left alone.

This stunt was produced as part of the Guggenheim Museum exhibition stillspotting nyc.

This is what happens when New Yorkers are given the opportunity to amplify their voices. My favorite was definitely the “To Infinity and Beyond” kid.

Civismo aos Pontapés

2 Comments

Civismo – nome masculino; 1. dedicação pelo interesse público; 2. comportamento demonstrativo de respeito pelos valores da sociedade e pelas suas instituições; (Do francês civisme, «idem»)

De acordo com o dicionário da Língua Portuguesa esta bela palavra significa comportamento demonstrativo de respeito pelos valores da sociedade e pelas suas instituições, algo que na minha opinião é uma característica fundamental em todo e qualquer ser-humano.

Hoje fui com a minha mãe até ao IKEA fazer umas comprinhas para a casa e como não poderia deixar de ser, à saída, fui lanchar os apetitosos hot dogs do serviço de cafetaria do IKEA por apenas 50 cêntimos, mais o copito de refrigerante de 1 euro com refill “até a bexiga não aguentar mais”. Ora ao fazer o refill da minha cola, deparo-me com uma cena que, na minha opinião, explica o porquê de a nossa sociedade andar a passo de caracol (para não dizer de caranguejo) em direcção ao progresso. Enquanto estava na fila à espera de fazer o meu refill, vejo um casal a retirar da bolsa o belo do copo de plástico da Super Bock e a fazer o seu refill.

Para quem não está familiarizado com o serviço de cafetaria do IKEA, eles, além de disponibilizarem cachorros a 50 cêntimos e sundays a 60 cêntimos, disponibilizam também café e refrigerante à vontade do freguês após o pagamento da 1ª dose. A 1ª dose pode ser comprada pela módica quantia de 1 euro o refrigerante e 40 cêntimos o café, traduzindo, por 1 euro e 40 cêntimos posso passar o dia inteiro a beber café e refrigerante no IKEA. Digamos que em qualquer sítio da Europa este serviço é uma verdadeira pechincha, quem quiser comer junk food até se fartar sem gastar mais do que uma moeda de 2 euros, veio ao sítio certo! No entanto, o casal tuga achou que pagar 1 euro por um dia inteiro de refrigerante era muito, por isso trouxe o copo de plástico da Super Bock de casa. Não obstante deixou o copo e o lixo ao lado da máquina de sumos, assim que acabou de satisfazer a sua sede. Ora o IKEA pede gentilmente aos clientes que deitem o seu lixinho fora e arrumem o seu tabuleiro, uma vez que é uma das razões que ajuda aos preços serem tão baratos (evitam de pagar a uma pessoa para recolher lixo e tabuleiros).

O casal deixou um belo exemplo às duas crianças que os acompanhavam que, muito provavelmente, vão repetir o comportamento dos progenitores num futuro próximo.

Em Portugal, este tipo de iniciativas, isto é, iniciativas que estão dependentes do civismo e boa educação das pessoas, muito provavelmente vão continuar a falhar redondamente e a trazer prejuízos para as instituições que tentam introduzi-las. Na Áustria, por exemplo, não há qualquer tipo de porta ou máquina de validação nas estações de metro, o Estado confia que as pessoas compram o seu bilhete de acordo com o trajecto que pretendem fazer. Esta iniciativa já está em vigor há alguns anos e nunca trouxe prejuízos ao Estado Austríaco, o seu funcionamento é igual a qualquer outro sítio onde haja as máquinas de validação. Agora imaginem isto em Portugal… acham que os resultados seriam idênticos?

O civismo e a boa educação são qualidades basilares para qualquer País funcionar bem, seja a nível económico, financeiro, cultural, etc… E o civismo não é só uma característica dos povos ditos civilizados, é algo que se encontra frequentemente em tribos indígenas: não existem cadeados nem fechaduras, a caça é dividida igualmente por todos, os metais e pedras semi-preciosas são partilhados entre as mulheres e crianças para fazerem adereços.

Bom, isto só para mostrar que o civismo é algo que está profundamente enraizado numa cultura ou povo, é algo que é passado de geração em geração através das práticas diárias e da educação. Não está dependente do avanço tecnológico ou do poder monetário, por isso não há desculpa para determinados comportamentos a não ser a profunda falta de cultivação da mente e do espírito do ser-humano. Agora se o civismo é algo enraizado na cultura e é um factor crucial para o progresso, como é que se pode acreditar num País, onde estes exemplos são tão recorrentes e onde ninguém faz nada para os mudar?