Recomeça….
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.
E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura Onde, com lucidez, te reconheças…

Miguel Torga

 

E perguntavam-me porque passava tanto tempo colada aos livros de Português, porque é que andava sempre com uma obra debaixo do braço…

Como é que é possível não ficar viciado na poesia Portuguesa? Como é que não vêem que um simples poema é capaz de traduzir exactamente aquelas coisas complicadas que nunca conseguimos, nós próprios expressar? Como é que não percebem o poder que estas palavras têm no imaginário de um jovem prestes a tornar-se adulto…

Advertisements